Mega BDSM

AMINISTIA INTERNACIONAL: MÉXICO NÃO INVESTIGA COMO DEVE DE SER HOMICÍDIOS DE MULHERES

Quente

Comunidade internacional revoltada. Quatro agentes envolvidos no incidente foram acusados de homicídio depois de a autópsia concluir que Victoria Esperanza Salazar, natural de El Salvador, ficou com o pescoço partido devido à violência policial. No vídeo é possível ver que a mulher acaba por perder os sentidos e, depois, o corpo imobilizado é colocado nas traseiras de uma carrinha da polícia. Especiales pic. Mais tarde, os agentes pegam no corpo da mulher, inanimada e ainda algemada, e colocam-no na caixa aberta da carrinha da polícia, abandonando o local. Posteriormente, a autópsia veio revelar que o pescoço da mulher foi partido, o que a levou à morte. Entretanto, o procurador-geral do Estado de Quintana Roo, Óscar Montes de Oca Rosales, confirmou que os quatro agentes da polícia municipal - três homens e uma mulher - foram acusados de femicídio, depois de ter sido revelado o resultado da autópsia. Comunidade internacional condena feminicídio Sinto-me indignada, impotente, frustrada.

Mulher procura mulher 51287

Encontre o Parceiro dos Seus Sonhos com Mais de 15 Milhão de Usuários

A história de Marisela Escobedo, a mulher assassinada no México por investigar o feminicídio de sua filha 16 outubro Legenda da foto, Marisela Escobedo lutou sozinha para capturar o assassino de sua filha A primeira morte de Marisela Escobedo foi quando sua filha de 16 anos foi assassinada. A segunda, quando a Justiça mexicana absolveu o assassino. A terceira, quando em dezembro de , levou um tiro na cabeça que acabou com sua vida. O assassino, Sergio Rafael Barraza, era seu companheiro. Ele jogou os restos mortais da jovem em um depósito de porcos, onde foram encontrados meses depois do crime. Barraza se declarou culpado. Protestos Escobedo passou a exigir publicamente a recaptura do homicida de sua filha. Participou de marchas e fez pedidos às autoridades.

Dez mulheres assassinadas por dia

Isso nos permite desenhar uma imagem diferenciada das preferências femininas para relações de curto e longo prazo. Nós fazemos isso colaborando com pesquisadores de renome para aprender sobre ciclo menstrual, sexo e a vida de mulheres e pessoas com ciclos. Mais de 68, pessoas em países participaram do estudo. Eis o que descobrimos. Carinho é o que importa. Virginia J. Vitzthum, cientista sênior do Kinsey Institute, diretora de pesquisa científica do Clue e professora de antropologia na Universidade de Indiana 2. A maioria das mulheres deu pouca importância para afinidades étnicas e religiosas Poucas mulheres disseram que similaridades étnicas ou religiosas seriam características importantes em parceiros as de longa data para similaridade étnica, 9.