Mega BDSM

EXISTE AMIZADE ENTRE HOMENS E MULHERES?

Comunidade

Esse é um tema polêmico porque muito raramente as pessoas demonstram seus sentimentos da mesma maneira. Assim, quando estamos passando por um período de distanciamento em um relacionamento, é natural sentir-se abandonado. Antes em falarmos em sentir falta de alguém, vamos conversar um pouco sobre as diferenças entre as pessoas. Estudiosos variados acabaram por estipular tipos psicológicos que muitas vezes coincidem. Tendo isso em vista, tanto você quanto a pessoa que você ama devem se encaixar em um desses tipos. Claro, é possível sim que a falta de procura indique desinteresse, porém, nem sempre é o caso e você precisa saber disso.

Procuramos mulheres 546560

Quem nunca ficou chocada com aquele amigo que conseguiu arrumar uma namorada igual a ex?!

O que é que eu faço? Zero, nada, nada!!! Quer saber o porquê? Minha amiga E. Executiva de uma grande multinacional, 32 anos, sem prole, sem casamentos, vivência de mais de 4 anos no exterior, moradora do Leblon, levava uma vida que muitas mulheres pediram a Deus e para as quais de nada adiantaram suas preces. Por ele mesmo!

Mulher não corre atrás de homem!!! – Parte I

A resposta? Numa delas, os estudiosos definiram os quatro tipos mais comuns de relações entre eles e elas. Dispostos a descobrir isso, uma equipe de professores da Universidade de Wisconsin-Eau Claire, nos Estados Unidos, realizou uma pesquisa com adultos, com idades entre 18 e 52 anos, que mantinham amizade com pessoas do sexo oposto. Eles também se mostraram mais dispostos a ter um encontro amoroso com as amigas do que elas com os amigos.

É comum gostar de pessoas parecidas com o ex afirma estudo

Pior: no fim das contas, ninguém se lembra direito por que a combate começou e onde é que ela vai parar. Mas o desgaste que o episódio provoca fica por muito tempo e pode causar marcas muitas vezes irreversíveis. Brigar dói, cansa, coisa tristeza depois, além de ser chato pra burro. Mesmo sabendo disso, por que raios os casais ainda insistem em brigar tanto? Até aí, vida normal. O estranho, diz a psicanalista americana Mary Jacksch, é usar uma briga para lavar-roupa suja, apontando com o dedo em riste o que se considera que sejam os piores defeitos do parceiro. Ah, sim: e esqueça a toalha molhada, por obséquio. O antropólogo Edgar de Assis Carvalho, da PUC-SP, também atribui ao estímulo consumista o nascimento de uma nova maneira de pensar, em que importaria mais colecionar namoros do que ter um casamento só, para a viver toda.